Boletim Agroalimentario 01-07-20

 

Proyecto CRECEER

Pode cadastrar na plataforma de vigilância do projecto  CRECEER em: https://ade.hontza.es/es/user/register. Deve-se ingressar um nome de utente e uma direcção de correio electrónico. A seguir, um administração recebe a solicitação e a valida para outorgar acesso completo à plataforma.

Entre as vantagens de aceder à plataforma figuram:

  • Receber assessoramento para criar seu próprio sistema de vigilância competitiva.
  • Acesso directo às fontes que alimentam o sistema.
  • Acesso a todo o armazém de notícias validadas e comentadas. Há que destacar que as notícias validadas não sempre se incluem nos boletins, já que nestes se faz uma selecção para que não resulte excessivamente volumoso.
  • Definir um sistema próprio de alertas por e-mail para receber novidades.
  • Participar em foros e debates já criados e criar os seus próprios.

Este boletim emite-se de forma periódica no marco do projecto CRECEER, e nele se analisam oportunidades tecnológicas e comerciais que podem contribuir ao desenvolvimento do turismo rural em nossas zonas rurais.

O projecto CRECEER está cofinanciado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER) através do Programa Interreg V-A Espanha-Portugal (POCTEP) 2014-2020.

AGROALIMENTARIO RURAL
Ajudas para financiar créditos subscritos para suportar o impacto da crise na actividade
A Consejería de Economia e Fazenda, através do Instituto para a Competitividade Empresarial de Castilla e León ( ICE), desenvolve as bases da convocação de uma nova linha de ajudas para financiar parte das despesas dos créditos subscritos por autónomos da Comunidade para suportar o cesse ou a redução de sua actividade profissional e a consequente perda em seu volume de negócio a raiz da crise sanitária. A medida dirige-se a financiar os créditos relacionados directamente com a actividade profissional do autónomo, subscritos dentro dos seis primeiros meses desde a declaração do estado de alarme, o passado 14 de março.
O sector confirma sua visita a  Fruit  Attraction 2020
“Celebrando-se Fruit  Attraction, ali estaremos. Como não íamos ir?”, é a frase que resume a mensagem maioritária recolhido no questionário realizado pelo Contact Center de IFEMA em relação à intenção dos visitantes de ir à grande cita de referência para o sector hortofrutícola, que celebrará presencialmente do 20 ao 22 de outubro uma edição extraordinária e única. O questionário, realizada a princípios de junho a um banco de dados de 2.876 visitantes da passada convocação procedentes da península ibéria, e a 713 assistentes de Alemanha, Bélgica, França, Itália, Países Baixos e Reino Unido, em todos os casos do área de actividade de comércio (supermercado,  hipermercado, varejista); importador/exportador e por maior, conclui que o 68% dos visitantes do âmbito nacional, e o 58% dos europeus, tem planificado assistir à feira presencialmente. Do mesmo modo, o 31% e 38%, respectivamente, afirma que sua assistência dependerá da evolução da situação epidemiológica, e tão só o 1%, e o 4% no caso europeu, confirma que não irá físicamente.
Chaves para evoluir para a Economia Circular
Recentemente aprovou-se em Espanha o anteprojecto de lei sobre a lei de resíduos, que ademais contempla a  transposição da Directiva 904/2019 que, entre outros, regula os produtos de plásticos de um sozinho, também telefonema “Directiva  SUP” (Single Use  Plastics). Este anteprojecto alinha-se com a estratégia européia relativa aos plásticos numa economia circular. A partir de 3 de julho de 2021, adaptando o regulamento europeu, proíbem-se as embalagens e copos para alimentos e bebidas compostos por poliestireno expandido, além dos produtos de plástico oxodegradável; em produtos cosméticos ou detergentes, os microplásticos intencionadamente acrescentados. Com respeito a garrafas de bebida, as tampas deverão ir unidos à garrafa de bebida, que deverão incluir também material reciclado (25-30 %, não se especificam objectivos por ano). Deverão recolher-se para  reciclaje o 77 % destas garrafas para 2025 e o 90 % para 2029.
Norma de qualidade do mel, más clareza em seu etiquetado
Com a nova regulação pretende-se contar com um etiquetado mais detalhado e de carácter obrigatório, no que deve figurar a listagem de todos os países de origem do mel elaborado a partir de meles de diferente procedência. Agora os consumidores disporão de informação mais completa sobre a origem do mel, e os apicultores poderão competir no mercado em melhores condições, ao se identificar de forma clara o mel de Espanha, melhorando assim o valor acrescentado para o produto.
Convocação serviços personalizados a PMEs dos sectores agroalimentar e turístico dentro do projecto CRECEER (POCTEP)
Os serviços previstos no projecto (Programa de qualidade: Diagnósticos de qualidade e Implementações e Programa de Inovação Tecnológica: Diagnósticos  cloud, Diagnósticos de marketing digital e Implementações de marketing) são gratuitos, no entanto estes serviços prestados consideram-se como ajuda em espécie e têm o carácter de ajudas de minimis e estão sujeitas, conforme à actividade que se realize, aos regulamentos europeus que regulam as ajudas de minimis. Data-a limite para a recepção de solicitações finaliza o 17 de julho de 2020.
Um projecto de economia circular de posta em valor do bagaço de uva
Os resultados do projecto de economia circular Vitalver de Terras Gauda permitem atingir a máxima sustentabilidade do  vinhedo mediante a valorização de um subproduto da vinificação, o bagaço, que retorna à vinha como um abono e  biopesticida de alta qualidade. Mais de três anos de estudo e ensaios têm permitido concluir que a conversão do bagaço em vermicompost mediante um processo de vermiconversão com miñocas tem um impacto positivo no solo, no estado fisiológico da videira e, a nível organoléptico e analítico, no vino.
Cultivos hidropónicos e aeropónicos, a digitalização da agricultura
O modelo produtivo em granjas verticais, aeropónico ou hidropónico, é mais produtivo que a agricultura intensiva de  estufas já que o controle de todos os requerimentos da planta. A introdução em massa de granjas verticais em cidades permitiria não ter que importar vegetais ou os comprar em zonas longínquas, reduzindo custos de transporte e logística, além da impressão de carbono. Mas, o principal inconveniente é a grande despesa energética que implica seu funcionamento e automação. É por isto que alguns cientistas não crêem na viabilidade destas granjas. As plantas precisam luz para realizar a fotossíntese. A luz tipo led tem resultado muito apropriada para este uso. Ainda que este método requeira muita electricidade, existem especialistas que afirmam que as despesas energéticas são compensados com a redução das despesas económicas e médio ambientais que implica o transporte.
Como se está a adequar a indústria alimentar às novas demandas do consumidor?
Experientes consultados por Food Processing têm identificado uma diversidade de factores que podem estar a reduzir a adopção da automação na indústria alimentar, como a própria natureza da produção de alimentos e bebidas e a despesa e incerteza na aquisição, tanto de hardware como de software. Mas acrescentam que superar estas preocupações é imprescindível e vital. O maior inibidor, sempre presente a cada vez que se introduz tecnologia nova e complicada em qualquer lugar, é o medo a que não funcione, ou ao menos não como se previa. Estreitamente relacionadas estão as preocupações sobre o tempo de inactividade e a capacitação dos trabalhadores.
Subvenções para o financiamento de projetos destinados a promover a inovação cofinanciados pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER)

Podem candidatar freelancers e PME que tenham a sua sede social ou pelo menos um centro de trabalho em Castilla y León. Comunidades de propriedade, sociedades civis, fundações e associações sem fins lucrativos são excluídas.

O beneficiário deve apresentar o pedido de subvenção antes de iniciar o trabalho no projeto.

Os projectos elegíveis consistiriam na prestação de serviços avançados de aconselhamento e assistência técnica destinados a: protecção dos direitos de propriedade industrial, acesso a deduções fiscais para o desempenho de actividades de investigação e desenvolvimento (I&D) e de inovação tecnológica (TI), assessorando a empresa na inovação, a fim de implementar nela um sistema de eficiência produtiva e/ou melhoria organizacional, e assessoria à empresa em inovação em seus processos de gestão e organização através da implementação do soluções de computação em nuvem.

A concessão das subvenções será realizada em sistema licitatório não competitivo de acordo com sua ordem de apresentação, conforme art. 34 da Lei 13/2005, de 27 de dezembro, e se a documentação está completa e levando em conta a disponibilidade orçamentária.

A ajuda consistirá numa subvenção não reembolsável, que será determinada como uma percentagem fixa de 65% a aplicar ao custo elegível, que poderá atingir 75%, dependendo da localização do projeto.

As candidaturas podem ser apresentadas até à publicação do convite para substituir o presente ou a publicação do fechamento do mesmo.

As condições acima são um resumo não exaustivo de natureza consultiva. Para maior precisão, consulte as informações e documentação disponíveis neste link

SERVIÇO DE VIGILÂNCIA COMPETITIVA

Pode visualizar boletins anteriores fazendo clique AQUI

Para mais informação sobre o projecto CRECEER visite nosso site http://www.creceer.org/pt/inicio-2/

Proyecto CRECEER

Se deseja não receber mais boletins, envie um correio à direcção info@creceer.org com o assunto “BAIXA BOLETIM”.